Poema de Edson Angelo Muniz

 

 

Entrelinhas

 

                                               

Escrevi alguns poemas de maneira diferente, fazendo uma intertextualidade com o CD de uma dupla sertaneja, usando os títulos (aqui em vermelho) como frases do poema.

O primeiro desta série, que chamei de "Entrelinhas", escrevi em 1988, mas ainda não o encontrei para publicar aqui.

 

* * * * *

No poema abaixo, as "Entrelinhas" são os títulos das músicas de Leandro & Leonardo, gravadas por eles no ano de 1998...

 

Um dia desses, me lembrei de você...
DEU MEDO
quando pensei que te amava e que, no entanto,
eu tinha sempre a
SOLIDÃO POR PERTO.
O tempo passou, e hoje ainda sinto o mesmo amor, e
TÔ QUERENDO VOCÊ.
Quero você junto de mim quando passear a cavalo
em uma fazenda, ou quando ir a uma festa de peão,
e, quem sabe, te amar na arena num
DIA DE RODEIO,
e depois, saciado o nosso desejo, tomarmos um
COPO DE VINHO.
Isso é somente um sonho, porque você se foi,
e no meu coração só ficou a saudade deste nosso
AMOR DIVIDIDO.
Sei que ti perdi, que estás distante, mas
NÃO ENTREGO
os pontos e continuo sonhando com o nosso reencontro.
Recordo quando éramos crianças e brincávamos de
casinha, de papai e mamãe ou de
"CUMADE" E "CUMPADE".
Quanta saudade!
Fico sozinho em meu quarto e o desespero toma conta de mim quando recordo tuas duras palavras:
"TÔ DANDO O FORA!"
E você então partiu, deixando essa cruel amargura
MACHUCANDO O CORAÇÃO
deste sofredor, que tanto te ama.
Fiquei triste com sua partida e me senti
ABANDONADO.
Chorei e amarguei o teu desprezo por longos anos,
mas, agora resolvi que
VOU ONDE VOCÊ ESTIVER,
quero voltar a ser feliz, e reviver aquele nosso amor inocente, que mais parecia um
AMOR DE NOVELA.
Só parecia. Não teve um final feliz
e ainda deixou profundas marcas de saudade.
Eu queria ser o seu peão apaixonado,
e viver contigo uma
PAIXÃO DE RODEIO.
Talvez o tempo não me dê tempo para te encontrar, mas, sigo sempre em frente, em busca deste sonho, porque eu sou
UM SONHADOR!

 

* * * * *
 

 Em novembro de 2002, escrevi o poema abaixo, usando os títulos do 2.º CD de Geraldo Viola & Dino Guedes, a quem eu dedico estes versos.

 
Estou só... triste... no "Bar Solidão".
Nunca em minha vida eu me senti assim:
vazio... perdido... desesperado... feito uma
PRESA ACUADA.
Meu coração está machucado,
e pra afogar a minha mágoa,
bebo e ponteio a minha
VIOLA PERFEITA.
Mas a dor da separação dilacera a minh'alma
e eu me desespero, sentindo
SAUDADE DE UM BEM.
Eu sempre sofri calado,
mas hoje eu não suportei,
peguei papel e lápis e escrevi este
DESABAFO DE PAIXÃO.
Todas as noites eu saio a te procurar,
porém, eu não te encontro.
Aí, fico vagando sozinho pela cidade,
PERDIDO NA MADRUGADA,
sem destino, sem amigos, chorando por este
AMOR DE GOIANA.
Ao chegar em casa, a solidão me apavora.
Deito na cama vazia e sonho com você
e parece que eu estou te amando por
DEBAIXO DO PANO.
Mas isto não passa de um sonho louco, e,
NO SILÊNCIO DA MADRUGADA
é que percebo o quanto eu estou apaixonado por você...
APAIXONADO DE DOER...
Elevo o meu pensamento e alço voo.
Um voo desequilibrado, sem rumo,
pois sem você eu sou um
FALCÃO FERIDO.
Mesmo assim, sofrendo,
não consigo esquecer você:
MULHER FORA DO COMUM.
E então, ao nascer de um novo dia,
preparo-me para sair novamente
À SUA PROCURA,
mas antes, ligo para o "Bar Solidão",
e deixo um recado:
ESTA NOITE EU PINTO AÍ!

 

 

 

Para adquirir livros de Edson Angelo Muniz, clique aqui.