Poema de Edson Angelo Muniz

 

 

Carreiro centenário

                                           

A José Virgílio de Souza, Zé Souza,

pelos seus 100 anos de vida — 2005



Conheço um velho carreiro que foi candeeiro

e vive sossegado,
recordando sua boiada e seu carro na estrada

cantando pesado.
Vivia em sua palhoça e cuidava da roça

de arroz cacheado,
já não tem mais força pra lida

e o maior sonho de sua vida
é rever o seu carro afamado.

 

— “Firma Craveiro! Puxa Alvejado!”

Esse valente carreiro é um herói brasileiro

que foi desprezado,
já cruzou estrada poeirenta, enfrentando tormenta

ou o Sol abrasado.
Quantas vezes cortou o varjão segurando o ferrão

mas foi ele o marcado
pela dura luta carreira,

carreando tijolo e madeira,
de Sol a Sol, trabalho forçado.

 

— “Vai Navio! Força Carinhoso!”

A matula que ele levava, quando viajava

para o povoado,
era carne com farinha, arroz com galinha

ou queijo com melado.
Carreava a semana inteira e sua companheira

não ia ao seu lado,
tão sozinho vive triste e chora,

pois a sua amada hoje mora
lá no céu com seu filho adorado.

 

— “Eia Vistoso! Carrega Dobrado!”

Carro grande e carreiro gigante, trabalho constante

era sempre chamado,
dez bois puxavam o carro sem medo de barro,

subida ou lajeado.
Tiradeira era de couro e a mesa um tesouro:

bálsamo curado.
Os cocões eram de aroeira,

de taboca era feita a esteira,
onde o milho era transportado.

 

— “Vem Diamante! Afasta Sobrado!”

Esse homem que é quase uma lenda nasceu na fazenda

onde foi educado,
perdeu os pais muito cedo e o seu brinquedo

era tanger o gado.
Hoje ele mora na cidade carreando saudade

do tempo passado.
É feliz apesar do fadário,

o carreiro centenário
é o Zé Souza, homem arrojado!...

 

— “Segura Peixão! Ôôôa Trigueiro!”

 

_____________

Notas:

Seu Zé Souza faleceu em 2008, com 103 anos.

 

Leia a crônica "Zé Souza: 100 anos de história", que escrevi em homenagem a ele,

clicando aqui.

 

Este poema foi publicado no livro V Antologia de Poetas de Ituiutaba, editado pela

ALAMI em 2008.

 

 

 

Para adquirir livros de Edson Angelo Muniz, clique aqui.