1.o capítulo do livro

Eram três horas de uma tarde sufocante do mês de agosto de 2010. O sol castigava a vegetação ressequida e o meu corpo doído. Minhas pernas estavam trôpegas de tanto caminhar por aquela estrada cheia de pedras, abandonada havia anos; a boca seca, os lábios sedentos, os olhos ardendo e os pés doloridos por causa da longa caminhada.

Parei sob a copa de uma das poucas árvores na beira da estradinha e fiquei pensando na destruição da Terra pelas mãos do homem. Refleti o quanto nós somos pequenos diante da natureza, que nos cobra pelos maus tratos recebidos...

Sentei-me em um toco, à sombra daquela árvore, e, com o olhar perdido no horizonte, rememorei a ação devastadora daquele vendaval que destruíra minha casa, tirara a vida de minha esposa amada e a de meu único filho, e dilacerara a minha alma, mergulhando-me numa solidão alucinante.

Uma lágrima teimou em cair dos meus olhos, já secos de tanto chorar.

Eu estava então no campo, na lida do dia-a-dia, quando tudo escureceu. Ao perceber o que aconteceria, corri em direção à minha casa na tentativa de evitar uma catástrofe, mas foi em vão. Nada pude fazer contra a força daquele gigante indomável. Em questão de segundos ele destruiu tudo que eu levara anos para construir, tudo o que eu aprendera a amar... Minha esposa e meu filhinho foram esmagados contra a parede da casa pelo nosso velho carro, que, ao sabor do vento, mais parecia uma folha seca. Saí correndo, desesperado, chorando e gritando, na vã ilusão de alcançar aquele assassino. Mas ele se foi, num passe de mágica, assim como havia surgido.

Voltei e, com o coração sangrando, sepultei mãe e filho, abraçados, envoltos num pedaço de lona que eu encontrara no meio do pasto.

Coloquei várias pedras sobre a cova, ao lado do mourão da porteira, marcando o local. Improvisei uma cruz com dois pedaços de paus roliços, amarrados com arame, e finquei-a na cabeceira da sepultura. Fiz uma breve oração e depois abandonei tudo e saí sem destino, pois eu havia perdido o que dava sentido à minha vida: a minha família.

 

Próximo Capítulo
 


Para adquirir livros de Edson Angelo Muniz, clique aqui.