FAMÍLIA MUNIZ
Tronco do Triângulo Mineiro

Autor: Edson Angelo Muniz

 

OS 90 DO ANOS TIO ZÉ DUCA

 

José Antonio de Menezes, mais conhecido por Zé Duca, o patriarca da Família 026, descrita no livro "Família Muniz — Tronco do Triângulo Mineiro", e neste Site, completou 90 anos no dia 31 de maio de 2012. Os filhos e netos se reuniram e organizaram um almoço festivo no dia 2 de junho, por ser no fim de semana. Eu fui convidado, e não faltei. Tudo transcorreu maravilhosamente bem, graças a Deus. Chegamos à casa do Tio Zé Duca por volta das 10h20min. Muitos eram os parentes que ali se encontravam. Até a Tia Verônica, irmã do Tio Zé Duca, estava lá.

 

 

Foi celebrada uma missa em Ação de Graças pelo aniversário dele; lá mesmo, no fundo de sua residência. A Missa foi comentada pelo Neilton e celebrada pelo Pe. Eduardo. Após a comunhão e a bênção final, cantamos os parabéns para o aniversariante e, depois, cantamos, em sua homenagem, músicas sertanejas diversas e uma, em especial, gravada por Tonico & Tinoco: "O meu sertão, não posso esquecer, como é linda a madrugada, vendo o dia amanhecer..." O Tio Zé Duca ficou muito feliz, e batia palmas constantemente! O almoço estava delicioso. Comi duas vezes, e depois, de sobremesa, bebi suco de graviola. Enquanto eu cantava, formou-se uma mesa de truco onde estavam jogando douradinha: o Tio Gerson, a Dulce e a Nívea, de parceiros, contra o Anazar e seus dois filhos: Marcelo e José Victor. Pai e filhos perderam feio... Mas, como eles são netos e genro do Tio Guilherme, não levantavam da mesa... (Risos). Então, o Neilton apareceu com outro baralho e formamos outra mesa de douradinha: Neilton, José Victor (que havia cedido sua cadeira da primeira mesa para a Marlene) e eu, contra a Neide, a Helice e a Eliana. Perdemos duas quedas... Levantei-me, sorrindo, e fui tocar violão e cantar... Mais tarde, trouxeram um bolo grande, encimado por duas velinhas formando o número 90, e cantamos os parabéns para o Tio Zé Duca outra vez. Eu, como sempre faço, improvisei alguns versos ao som do meu violão:

Hoje é dia de muita festa,
felicidade a gente não inventa.
Vamos cantar parabéns pro Tio Zé Duca,
que já completou noventa.

O Tio Zé Duca já foi forte e trabalhador,
comia muito, até rapava a panela,
hoje ele está muito fraquinho,
não dá conta de apagar nem a vela.

Mas ele hoje é um homem feliz,
porque está no meio do seu povo.
E pra mostrar que ainda é forte,
se levantou e apagou a vela de novo.

O Tio Zé Duca foi cortar o bolo,
de faca na mão e a mente sã.
"O primeiro pedaço vai pra quem?"
Ele escolheu a sua querida irmã.

O segundo pedaço, alguém disse:
"Vovô, me dá, não seja tão ruim!"
Mas ele, com a voz firme,
disse a todos que era pra mim.

Eu já cantei muito por hoje,
já estou rouco, perdendo a voz,
mas tenho forças para dizer:
Tia Purcina está entre nós.

 

 

Ficamos por ali até às 18h35min, mais ou menos, quando a Helice me chamou para irmos embora, para que ela pudesse colocar o seu pai no banheiro e dar o jantar para ele. Pus o meu violão na capa, me despedi de todos que ali estavam e saí, feliz e realizado por ter participado de mais uma reunião da Família Muniz, por estar perto de pessoas que eu amo e por ser reconhecido por todos como uma pessoa do bem, que não provoca e não procura confusão — antes, tenta evitá-la...

 

* * * * *

 

Zé Duca, ao centro, de chapéu, tendo à sua esquerda a sua irmã, Verônica, e à sua direita

o seu primeiro neto, Nelsinho, e ladeado por muitos de seus descendentes:

filhos, netos, bisnetos, trinetos, tataranetos, genros e noras.

 

* * * * *

 

DEPOIMENTOS

 

        Primo Edson, mais uma vez você  foi brilhante!

        A festa foi animada, descontraída e nosso Vozão esbanjou felicidade e disposição ao lado de todos. Foi um dia de celebração à vida, à longevidade  à uma pessoa especial.

        Lendo o seu belo texto, de tão real, cheguei o ouvido perto do monitor e escutei o som do seu violão e os gritos, aos fundos, vindo das mesas, de: "Trucoooo!" 

        Abraços.

                          Nelsinho.

 

* * * * *

 

          Teríamos que agradecer ao VOLNE, que foi quem deu a ideia dessa grande festa? E ainda renunciou a parte do evento lá no litoral paulista e veio para o nosso meio?
        Teríamos que agradecer às tias MARIA HELENA e HELENA MARIA, e também à tia MARIA APARECIDA, que deram um murro nos dias todos?
         Teríamos que agradecer à NÍVEA, que coordenou no local, lá em Ituiutaba?
        Teríamos que agradecer ao NELSON (o titio com maior ibope da quarta e quinta gerações), que levou todo o seu clã e participou de tudo?
        Teríamos que agradecer ao MARCOS e HELOÍSA, que deixaram o cansaço de lado e mandaram 2.200 quilômetros para viver esse momento conosco?
        Teríamos que agradecer ao EDSON, que em muitas ocasiões nos alegrou, e fez a vez de animador e narrador desta saga?
        Teríamos que agradecer aos também cantores CARLOS HENRIQUE e CLEUSON, que também comandaram a roda de moda de viola por algumas horas?
        Teríamos que agradecer ao MARCOS e ao ROBSON, que ajudaram muito na organização (mesas, cadeiras e tenda)?
        Teríamos que agradecer à BLANDINA, que além de doar tanta coisa ainda colaborou com a presença da única irmã do nosso VOZÃO, a tia VERÔNICA?
        Teríamos que agradecer ao Padre EDUARDO REIS, que dentro de uma agenda cheia ainda pode celebrar o Corpo e Sangue de JESUS CRISTO no seio de nossa família?
        Teríamos que agradecer à ELIANE e ao CARLOS HENRIQUE, que correram atrás de um sacerdote para a celebração?
        Teríamos que agradecer ao VANDERLAN, que dedicou maior tempo junto à churrasqueira?
        Teríamos que agradecer ao ADELINO, NILTON, DIMAS, MÁRCIO, JOSÉ VÍTOR, MARCELO, NILSON, aos tios ANAZAR, LAERTE, JOÃO DIMAS, JOANA (ao GUIOMAR lá de Mineiros), entre outros que nos deram o ar de vossas presenças?
        Sim, temos que agradecer a todos, mas sobretudo a DEUS, que derramou tantos dons para que cada um contribuísse com cada TALENTO e essa maravilhosa festa acontecesse. Parabéns a todos!

 

        Neilton.


* * * * *

 

        Prezados,

        Fiquei muito feliz pela festa, uma festa com ALEGRIA, muita paz, todo mundo ajudando, não há nada no mundo que pague aqueles poucos momentos juntos.
        Eu quero agradecer aqui ao mano Neilton, que correu atrás das leitoas (e que leitoas, quase porco já), mas tudo arrumadinho, e a sua prestatividade na missa.

        Quem viu a carinha do Zé Duca no parabéns com a Viola do Edson, e a alegria que ele estava? Realmente foi muito bom.
        Queria agradecer também à Daniela (filha da tia Maria Helena), que ficou na lida da churrasqueira e na peixada de domingo, que tempero, hein?!
        Queria agradecer à prima Tatiana (esposa do primo Marcelo) que chegou na hora e me ajudou na pururucada da leitoa, porque se não tinha queimado... (Risos).
        Foram vários momentos bons, a Lucimar (amiga da família) fez suco da GRAVIOLA da Dina pra todo mundo lá, com muito bom gosto.
        Quero agradecer a esse encontro de filhos, sobrinhos, primos, irmã, netos, bisnetos e tataranetos... Valeu a pena!
        Por fim, quero agradecer a todos; mas no truco: Eu, Tio Gerson e Dulce... não tem pra ninguém.
        Abraços e até a próxima.
        Beijos.
                           Nívea.

 

* * * * *

 

        Querido Irmão, Neilton:

        Parabéns a você pela fartura de carne das leitoas, que, por sinal, estavam uma delícia.
        Bênção a Deus por todos os momentos e pelos 90 anos do aniversariante.
                    Niltin.

 

* * * * *

 

       Caríssimos(as), bom-dia!
       Com alegria e união, brindamos estes momentos lindos, inesquecíveis, a Deus muito obrigado sempre!
       Continuemos assim, juntos!!
       Um abraço a todos!
                        Adelino José Muniz Barbosa.
 

* * * * *

 

          Boa tarde Caríssimos...

        Gostaria que soubessem, que mesmo não comparecendo na confraternização do nosso Vô, acompanhei os andamentos, preparativos e comentários pós-festa e que fico triste por não ter participado, mas ao mesmo tempo fico muito feliz por ver que a nossa família mostra-se tão unida, companheira e animada, seguindo o exemplo da Nossa Querida Vó Purcina.
        Fiquei surpresa quando meu pai comentou: "Andrea, a festa do seu avô foi boa demais, nunca fui numa festa de aniversário tão boa..." Isto mostra que vocês fizeram bonito nesta merecida homenagem, em vida, para o nosso Querido Vô Zé Duca...
       Agradeço de coração a todos que, de todas as formas, colaboraram.
       Vi algumas fotos e fiquei impressionada com a alegria do Vovô... Sem preço.
       Um abraço.
                              Andrea.

 

VOLTAR