Versos de improviso

feitos por

Edson Angelo Muniz
 

 

Na casa do TiBastião - 1

 

Nóis é aqui do sertão,

nóis é macho, não foge da arraia.

A Loredana foi entregar o Lorenzzo,

para um rapaz, lá na praia.

 

"Nóis qué i pra Perdilândia,

pra diverti, pra nóis bebê.

Ô, Loredana, tráis esse Júnior,

purquê nóis qué ele cunhecê."

 

 

 

Aniversário do Tio Zé Duca

 

Eu estava em casa, deitado,

com um travesseiro na nuca,

me levantei e vim pra Vila Platina,

pra cantar parabéns pro Tio Zé Duca.

 

Tio Zé Duca é um homem guerreiro,

sempre foi destemido e afoito.

Ele hoje fica mais velho,

pois completa oitenta e oito.

 

Obs.: Alguém disse: "É oitenta e nove..."

 

Gosto muito de beber e cantar,

e de estar no meio do povo.

O Tio Zé Duca não achou ruim,

eu colocar ele com um ano mais novo.

 

*

 

Nós estamos aqui reunidos,

a felicidade é muito profunda.

Vamos cantar para o Nilsinho também,

que fez trinta e nove nesta segunda.

 

(29.5.2011)

 

 

 

Na casa da Cleide e do Romeu

 

O Juninho veio de muito longe,

ele morava na cidade de Bruxelas.

Quando ele foi, era do time "deles",

ao voltar se bandeou pro lado "delas".

 

O Juninho veio lá da Bélgica,

em Ituiutaba com frio ele está.

Ele é tão novo, mas está muito cansado,

como ele gosta de se escorar num sofá,

 

O Juninho no sofá se deitou,

e em pouco tempo ele se apagou.

Não sei dizer se ele sonhou,

mas acordou quando a "Jade" te beijou.

 

Obs.: "Jade" é uma cachorrinha.

 

Na casa da Cleide e do Romeu,

onde eu não serei esquecido,

se for pra fazer um filme, não dá,

só tem artista aqui não tem bandido.

 

O Juninho está muito estranho,

parece um burro quando empaca.

A Patrícia acabou de nos revelar:

quando namoravam ele era um babaca.

 

O Alessandro tava escondendo o leite,

pois ele toca violão e canta pra dedéu,

mas descobrimos o seu segredinho:

ele só solta a franga se beber pinga Jamel.

 

Eu hoje levantei o meu astral,

mais um presente que Deus me deu:

rever velhos amigos, sorrir e cantar,

no lar sagrado da Cleide e do Romeu.

 

Nesta casa encontrei muitos amigos:

Alessandro e Joelma, Neidinha e Geraldinho,

Larissa, Flavinho, Charles e Ana Paula,

Lucas, Miryan, Patrícia e Juninho.

 

Eu cheguei já era noite fechada,

bebi cerveja e comi carne assada,

tomei caldo, e não paguei nada,

não quero ir embora mas já é madrugada.

 

Que Deus sempre abençoe esta família,

dando força e união ao casal,

muita felicidade, muito amor e carinho,

junto dos filhos: Pedro e Gabriele Cabral.

 

(7.7.2012)

 

 

 

Na casa da Mana Ednair

 

Hoje o domingo foi muito feliz,

com alegria, descontração e carne assada.

No jogo de truco, fui o campeão,

tudo regado com cerveja gelada.

 

Os primeiros foram Flavinho e Charles,

depois entraram o Juninho e o Juarez.

Quem sentava, perdia e levantava,

mas estes dois quiseram perder outra vez.

 

Para jogar uma partida de truco,

o jogador não pode ter inocência.

E pra ganhar deste neto do Nenê Muniz,

precisa ser forte e ter muita experiência.

 

Quando se mudaram para Bruxelas,

era pequeno o meu afilhado Flavinho,

hoje ele está crescido e muito forte,

usa costeletas e na orelha um brinquinho.

 

Já está de noite, temos de ir embora,

a festa acaba, o que é uma pena,

mas dá tempo de cantar os parabéns,

para a querida Tia Maria Helena.

 

(8.7.2012)

 

 


Aniversário da Nicinha

 

Eu estou um pouco distante,

de alguém que muito me acarinha,

e hoje ela fica mais experiente:

parabéns pra você, prima Nicinha.

 

Ela é uma linda mulher,

é um anjo que o Céu nos legou.

O seu lema é sempre "Paz e Amor",

e a sua vida Deus abençoou.

 

Ela é filha da Fiíca e do Eurípedes,

é irmã do Valdir, do Delico, da Odília,

da Oneida, da Onilta e do Valdeci,

e é amada por toda a sua família.

 

A Nicinha gosta de plantas e flores,

e ama aos animais como se fossem seus irmãos.

Ela protege a Mãe Natureza,

cuida do seu sítio com suas próprias mãos.

 

Querida Nicinha, eu te desejo:

amor, alegria, fartura, felicidade e paz.

Receba deste seu primo um forte abraço,

que, mesmo de longe, um carinho te faz.

 

(10.7.2012)

 

Obs.: estes versos foram recitados por mim, para a Nicinha, por telefone.

 

 

 

Fazenda Saltador - 2

 

Nesse sábado eu saí da rotina,

e deixei pra trás estresse, tristeza e dor,

com o Edilson, a Rosa e a Tia Maria,

Fui parar na Fazenda Saltador.

 

Tia Joana ficou emocionada,

pois, há tempos eu lá não aparecia,

ela, que estava na fazenda sozinha,

já tinha companhia para aquele dia.

 

O Edilson e eu bebemos cerveja e pinga,

as mulheres tomaram somente Brahma.

Eu estava cansado e com muito sono,

não demorou fui direto para a cama.

 

No domingo, me levantei bem cedo,

e a Tia Joana já estava de pé.

Na cozinha tinha pão de queijo sobre a mesa,

mas de repente ela derramou todo o café.

 

Mais tarde a casa ficou mais alegre,

um carro chegou, sem tocar a buzina.

Fui à porteira para ver quem era:

Edna e Maurício, Tio Gerson e Tia Doracina.

 

O Edilson pôs carvão na churrasqueira,

em pouco tempo a carne já estava assada.

Mesa de truco, pinga boa e mandioca,

muita alegria e muita cerveja gelada.

 

Comadre Rosa estava fazendo crochê,

sentada no banco debaixo da amoreira,

um passarinho assentou em um galho,

deu uma "risada" e no cabelo da Rosa fez sujeira.

 

O jogo de truco estava animado,

da prima Edna eu era o parceiro,

do outro lado o TiGerson e o Maurício,

eles perderam três quedas, foi ligeiro.

 

O baralho do truco estava cheio,

e sair coisa boa assim, é coisa rara.

O Maurício me trucou para fechar:

eu gritei: "Seis", e o TiGerson me deu nove na cara.

 

Nós saímos da Fazenda Saltador,

já era tarde, a vontade era ficar.

Tia Joana novamente se emocionou,

nós a abraçamos e prometemos voltar.

 

(15.7.2012)

 

 

 

Aniversário do Anderson

 

Eu hoje estou muito feliz,

de alegria transborda meu coração,

estou no meio dos Rosado e dos Muniz,

na casa do primogênito do Leila e do Rubão.

 

O Anderson, amanhã, fica mais velho,

cantar pra ele agora eu quero.

Ele que está na flor da idade,

completa este ano três ponto zero.

 

Jogamos truco, bebendo cerveja,

todos alegres e muito contentes,

O Anderson ficou emocionado,

por vendo ali amigos e parentes.

 

 

*

 

Cantamos a música "Mourão da Porteira",

composição de Raul Torres e João Pacífico,

oferecendo-a para o primo Campeão,

e em seguida cantei o verso abaixo:

 

Apesar de ouvir as suas músicas,

sinto saudades do Tião Carreiro.

Ofereço esta canção para o Campeão,

Que não esquece do mourão lá do Barreiro.

 

 

 

No Sítio São José

 

Fazia tempo que eu não aparecia

neste recanto na beira do Rio da Prata,

aqui a paz e a alegria não terminam,

e o Toinzico com fartura sempre nos trata.

 

A Nêga não tem muito sossego,

pois é ela que mais trabalha na cozinha,

O Toinzico, no truco é o campeão,

ganha um tento e fica fazendo gracinha.

 

O Juliano não gostava de ir à escola,

então inventou pra sua mãe uma historinha,

disse que estava doente e com muita febre,

mas ele pôs o termômetro debaixo da asa de uma galinha.

 

O Toinzico tá bebendo desde cedo,

ele é elétrico e não empaca,

amanhã ele não tem compromisso,

porque hoje nem apartou as vacas.

 

Combinamos de vir para este sítio,

por telefone reunimos a turminha:

Gláucia, Maria Aparecida, Valtenis e eu,

no carro deles veio também a Cidinha.

 

O Valtenis, meu irmão de leite,

é tranquilo e anda muito devagar,

a Maria teve foi muita sorte

de ele chegar na igreja a tempo de se casar.

 

A Cidinha hoje está meio estranha,

ela mesma nos disse que bebeu demais.

De Ituiutaba até o Sítio São José,

veio dormindo e babando no banco de "trais".

 

Nós saímos de Ituiutaba,

cortando o asfalto, e eu ainda de ressaca,

e chegamos na antiga Fazenda Bela Vista,

onde o Zinho estava armando barraca.

 

Reclamaram porque eu só faço versos

para os outros e não os faço pra mim.

Então pensei, e logo o violão rosnou,

e eu cantei alguns versinhos assim:

 

Eu fui à casa do pai do Campeão,

e o Nelsinho uma pinga me ofertou,

eu a bebi, misturando com cerveja,

acho que a "marvada pinga" me derrubou.

 

Fui pra Egil, e estava muito cansado,

mas confesso, com o coração em paz.

Eu acordei às quatro da madrugada,

e eu não consegui dormir mais.

 

Depois de muitos anos casado me separei,

não demora vou arrumar namorada,

estou feliz , estou vivendo a vida,

mais livre do que nhambu na paiada.

 

Nunca pensei em ficar sozinho,

e nem passar por isso algum dia:

dormir no chão, sem ter uma costela,

e às vezes tomar banho na água fria.

 

A Luanda é uma gracinha,

essa moreninha é um dengo.

Ela se parece com uma bugrinha,

mas não tem gosto: torce para o Flamengo.

 

O Toinzico já está muito cansado,

mas no truco ele é viciado,

mesmo com frio, num cobertor enrolado,

não saí da mesa e fica no jogo ligado.

 

Já passa da meia-noite,

vamos descansar, dormir e sonhar,

pois amanhã, o domingo nos espera,

e se Deus quiser vamos sorrir sem chorar.

 

(28.7.2012)

 

*

 

Aqui no Sítio São José,

nos fins de semana só tem alegria.

Há quinze dias isso aconteceu,

e tinha muitos amigos naquele dia.

 

O Toinzico, como sempre, bebeu muito,

e todo o mundo ir embora ele esperou,

com carinho pôs a Nêga no seu colo:

caíram os dois, e a mão ele machucou.

 

O Valtenis é um cabra macho,

mas às vezes ele dá uma de viado,

naquela noite ele jogou a Neide no chão,

só pra dormir agarradinho com o Idivaldo.

 

Nosso mundo está muito sem lei,

há roubos e mortes à toda hora,

em Ituiutaba a Mercearia Independência

foi assaltada, credo em cruz, Nossa Senhora.

 

O Idivaldo dormia e a Neide muito assustada,

saiu correndo, quando viu a coisa feia,

e pulou na cama em cima do marido,

e ele falou: "Agora não, estou de barriga cheia."

 

Numa viagem para Brasília,

o Juliano me contou os fatos:

num restaurante à beira da estrada,

a Nêga e a Ambrósia encheram os pratos.

 

O Henrique é um priminho legal,

e é também  uma linda criancinha,

ele se parece muito com o seu avô,

quando o Toinzico chupava bico de cabacinha.

 

Os três netos do Toinzico e da Nêga

vão viver uma vida de artista:

o Henrique será um grande cantor,

João Vitor dançarino e o Heitor baterista.

 

O Idivaldo jogou truco comigo,

e perdemos para alguns companheiros.

O Toinzico hoje também perdeu,

porque ele e o Idivaldo sempre jogam de parceiros.

 

O Anderson não bebe muito pouco,

de manhã bebe pinga em vez de café.

Numa noite, mamado demais, ele sonhou,

e gritou bem alto: "Estou parindo pelo pé..."

 

A Vânia está muito resolvida,

vai embora hoje nem que seja de carona.

Se o Anderson não quiser voltar com ela:

"Ele que fique debaixo de sua lona."

 

O Anderson está enrolando,

mora com a Vânia, mas só juntou os panos,

porém ele mesmo me confessou:

"Vou me casar com ela neste fim de ano."

 

O Vanderli é candidato a Vereador

por Gurinhatã, representando a Gurita,

O seu número é 25.222,

se ele não ganhar a coisa fica esquisita.

 

O Valtenis trouxe um grande presente

pra Eliza, e ela não ficou com medo,

uma linguiça de mais de palmo,

que ela até foi dormir mais cedo.

 

O Henrique é muito emotivo,

assim como é toda a Família Muniz,

embora ele tenha chorado de ciúme da mãe,

ele é muito alegre e vive muito feliz.

 

A Nêga hoje está muito afoita,

pois o domingo tá arretado.

Ela está bebendo cerveja Itaipava,

hoje de noite o Toinzico tá lascado.

 

A Nêga ficou muito alegre,

e o Toinzico olhando-a de lado.

Quase que ela caiu agora,

não foi ao chão porque escorou no telado.

 

A Patrícia estava muito eufórica,

falando muito e derramando cerveja no chão.

O João Neto a olhou, muito sério,

e disse pra ela: "Não bebe mais, não!"

 

Na casa do João Neto quem manda é a Patrícia,

enquanto ele cuida do seu filhinho,

ela bebe com seu sogro, o Idivaldo e a Neide,

anda de salto e o João Neto vai dormir sozinho.

 

Naquele dia a Neide bebeu pinga demais,

ficou grogue e então caiu na ginga.

No outro dia amanheceu descadeirada,

não sei se foi o Idivaldo ou se foi a pinga.

 

O Idivaldo é um primo muito querido,

mas estou em dúvida quanto a sua sexualidade,

pois ele hoje está usando uma camisa rosa,

e com a mão nas cadeiras ficou uma beldade.

 

O amor é um grande dilema,

e isto está acontece com o Idivaldo,

e a Neide também vive um problema,

pois ele não assume que por ela é apaixonado.

 

A Eliza de repente desapareceu,

não sei se ela de assar carne está cansada,

mas me disseram, e eu não acreditei:

"Ela tá de boca num prato de feijoada."

 

A Cida do Vanderli é muito legal,

muito calada e tem um bom coração,

na beiro do Rio da Prata, quando ela fica tonta,

vai para o rio, tomar banho, de gatão.

 

A Gláucia tem um admirador idoso,

ser amada não é nenhum mal,

mas todos os presentes que dele ganhou,

ela pôs num saco e devolveu: jogou no seu quintal.

 

O Toinzico está precisando de carinho,

mas a Nêga tá bebendo de montão.

Quando eles ficarem sozinhos,

ela vai cuidar bem do Toinzico, seu Bebezão.

 

Chegou a hora da triste partida,

Todos vão saindo, com tristeza e muita fé.

Esta família é por todos muito querida,

pois isso voltaremos ao Sítio São José.

 

(29.7.2012)

 

 

 

Viagem a São Pedro

 

Saí de Ituiutaba ainda de madrugada,
deixei pra trás a linda cidade minha,
e vim correndo pelas estradas,
pra me encontrar com a minha Fadicinha.

Foram quase seiscentos quilômetros,
rodando no asfalto, subindo e descendo serra,
para chegar aqui em São Pedro,
um dos recantos mais lindos da Terra.

Este lugar é uma tranquilidade,
atrás da serra, no meio do mato,
onde só se tem paz e felicidade,
não se vê raiva, o povo é pacato.

A saudade é um espinho,
e não há quem não sofra com ela,
mas quando eu vi a prima Nicinha,
a saudade voou pela janela.

Neste pedaço de chão abençoado,
a tristeza aqui não frutifica,
eu fiquei muito emocionado,
quando beijei o rosto da Tia Fiíca.

Quando eu canto, eu sei que não encanto,
mas às vezes não fico bem na fita,
eu errei uma música agora,
e fui vaiado pelo "Lula" e pela "Lolita".

 

Obs.: "Lula" e "Lolita" são dois papagaios.

A família que neste sítio vive,
é muito unida e por Deus é abençoada:
Tia Fiíca e a sua filha, Nicinha,
e o Reiner com a Juliane, sua amada.

De vez em quando vem gente de fora,
e a emoção sempre aumenta.
Quando eu cheguei, aqui já estavam,
Linéa, Anna Victória e o Oleir Pimenta.

No domingo o aconchego aumentou,
mais alegria encheu este lugar,
pois veio o Pedro Henrique e a Luciana,
logo depois a Ana e o primo Osmar.

 

Hoje vou embora mas tenho certeza

de que muito breve aqui eu voltarei,

a cidade, a serra e a magia do amor

me encantaram, e eu me apaixonei.

 

(5.8.2012)

 

 

 

Aniversário do Quinca

 

Hoje é aniversário do Quinca,

por isso estamos alegres assim,

Quinca é apenas um apelido

pois o seu nome é Joaquim.

 

O Quinca nasceu pelado,

chorando e sentindo muito frio,

há tempos que eu sabia

que ele é mais velho do que "seu Tio".

 

Obs.: "Seu Tio" é o Sebastião Muniz.

 

Hoje ele é um pouco responsável,

mas o Quinca já foi pivete.

Ele já é um homem erado,

hoje completa sessenta e sete.

 

Ele é o terceiro dos oito filhos

do Tio Zé Duca e da Tia Purcina,

Que Deus lhe dê muitos anos de vida

e muita paz pra cumprir a sua sina.

 

(19.8.2012)

 

 

 


 

Para adquirir livros de Edson Angelo Muniz, clique aqui.