Versos de improviso

feitos por

Edson Angelo Muniz

 

* * * * *

 

Juliano

 

A Nêga e o primo Toinzico
vivem juntos há muitos anos;
têm o mais velho: João Rosado Neto,
há vinte e sete nasceu o Juliano.

Hoje o domingo é de alegria,
dois mil e sete é o nosso ano,
Fica mais velho o caçula do Toinzico,
Parabéns para o primo Juliano.

              O Juliano fica mais velho,

                                  ele já está bem erado.
                               Ele que é neto da Tia Maria,
                                 e filho do Toinzico Rosado.

Hoje é domingo, estou de folga,
e todo mundo está de fofoca;
um abraço aos amigos:
O Gerôncio e o grande Doca.

O Juliano está seguro,
com a família está folgado.
O João Neto trouxe alguns amigos,
quatro cabos estão do seu lado.

Eu sou mais um Corinthiano,
gosto de bola e de fazer um som,
vou oferecer este simples verso
ao amigo Cabo Aileon.

(15.4.2007)
 

* * * * *

 

Neide

 

Nós viemos neste mundo
para amar, beber, sorrir e cantar;
vamos parar só por um segundo
e cantar para a prima Neidimar.

 

Hoje ela fica mais velha,

mas seus irmãos estão mais velhos ainda.

Quando sorri, seu rosto se ilumina,

e é aí que ela fica mais linda.

 

(28.4.2007)

 

* * * * *

 

Perdilândia - 1

 

Gosto muito de tocar meu violão,
de tomar cerveja e de uma boa prosa.
Estou feliz de estar entre amigos
Em Perdilândia, cidade maravilhosa!


O Curimba é um amigão,
mas no truco não tá com nada,
perdeu pra dupla Vilson e TiBastião,
um tira-gosto e uma Coca gelada.


Mas ele não perdeu sozinho,

quero agora ser seu advogado,
seu parceiro foi o Galeguinho,
mais conhecido como Pintado.


Essa música que tocou agora,

feriu o coração do Leonardo.
Eu não sei se ele gosta da música,
ou se é porque está apaixonado.


De outra vez que eu vier aqui,
deixo meu carro e venho de camionete,
pra rever o amigo João da Véia
e sua esposa, a Dona Luzinete.


Quando chegamos a Perdilândia,
cidade hospitaleira não tem igual,
ficamos na antiga casa do Zé Mascarado,
que já foi bodega do José Amaral.


José Amaral é um nome forte,
pra Perdilândia ele só traz alegria.
Ele é um grande fazendeiro,
tira 3.000 litros de leite por dia.


Eu vim de Ituiutaba correndo,
pensando que no truco eu não perdia,
quando joguei, perdi uma Coca,
TiBastião falou: "Hoje foi o nosso dia."


Perdilândia já tem 50 anos,
aqui todo mundo é feliz,
essa cidade nasceu de um sonho
do José e do Chiquinho Muniz.

 

(Maio.2007)

 

* * * * *

 

Rogério Arcanjo

 

Conheci mais um jogador de truco,

que é um cara muita arretado,

ele nasceu no estadão de Goiás,

mas é nortista do pé rachado.

 

Ele é da região de Chaveslândia,

e traz a alegria estampada na cara.

Nas barrancas do Rio Paranaíba,

ele gosta de caçar capivara.

 

Ele é moreno e de barba cerrada,

esses caboclos eu logo manjo,

é companheiro, mas não toma da gelada,

ele é o amigo, Rogério Arcanjo.

 

* * * * *

 

Odé

 

O Odé, meu amigo corinthiano,

e forte e tem força na voz,

porém lá na casa dele,

quem fala alto e manda é a "Feroz".

 

* * * * *

 

Sítio do Toinzico

 

Tudo isso é uma beleza,
                                nesta terra ninguém paga mico.
                                     Eu saí lá de Ituiutaba
                                pra vir passear no Sítio do Toinzico.

Olhando as águas do Rio da Prata,
com os olhos rasos d'água eu fico.
Junto com o Vanderli e outros primos,
estou na fazenda do primo Toinzico.

Este recanto é uma maravilha,
nos meus lábios só tem sorriso,
pois estou junto com alguns parentes
neste sítio que é um paraíso.


* * * * *

 

Toinzico

Demorei, mas vim, cheguei,
e muito emocionado eu fico,
de estar aqui com vocês
comemorando o aniversário do Toinzico.

O Toinzico é um grande primo,
tudo na vida ele domina,
não vou dizer qual é a sua idade,
ele completa um por baixo e um por cima.

O Toinzico é muito camarada,
quantas vezes já bebeu mas não caiu.

Estamos combinando, êta turma animada!,
pra ir outra vez lá na beira do rio.

Eu queria jogar truco com o Toinzico,

sou fanático e a vontade é tanta,
Mas as duas mesas estão cheias,
e quem perde nunca se levanta.

Eu vou tomar mais um copo de cerveja,
e não deixo ninguém pôr o bico.
Quero que vocês me ajudem
a cantar parabéns para o Toinzico.
 

(13.6.2008)

 

* * * * *

 

Amigos para sempre

 

A receita da felicidade
muita gente diz que não existe,
mas a minha, digo com franqueza,
é cantar, beber e não ficar triste.

Ainda mais, vou dizer agora,
a tristeza é uma tolice,
não fico triste estando junto
dos filhos do Juvelino e da Clarice.

O Senhor Juvelino é de Anicuns,
Dona Clarice, de Ituiutaba,
eles tiveram nove filhos,
muitos netos e um amor que não se acaba.

Cada dia esse amor vai aumentando,
com muitas lembranças do passado,
e esse casal que é modelo
Fez cinquenta e dois anos de casado.

O filho mais velho é o Wanderley,
depois a Vanda, o Vanderlan e o Vandeir,
a Valdira, a Valnice e a Vanilda,
a Valci e o meu afilhado Valdir.

Eu conheço o Senhor Juvelino,
sei que ele já é bisavô,
duas coisas que eu não sabia:

Seu Juvelino foi gaiteiro e benzedô.

O Cristiano é muito conhecido,
do Wanderley é o primeiro filho,
mas com essa barbicha rala
mais parece o Lindomar Castilho.


Ele já foi um homem perdido,
hoje em dia ele tem quem manda,
virou gente e trabalhador,
depois que se casou com a Fernanda.

 

(2008)

 

* * * * *

 

Wenderson Batista Miranda

 

Esta noite vamos beber,

até cair e turvar a vista,

porque hoje é o aniversário

do meu sobrinho, Wenderson Batista.

 

(17.7.2009)

 

* * * * *
 

Fazenda Paineira

 

Hoje eu estou muito contente
de tanto beber e de cantar,
fui bem recebido na Fazenda Paineira,
por nossos amigos, Lidiane e Gilmar.

Esta família é abençoada
por Jesus, nosso Soberano,
tem duas joias maravilhosas:
a Mariana e o Cristiano.

Viemos em dois carros superlotados,
Helice, eu, Luiz, Índio, Ednazir,
Elton, Amely, Adriano e Edilza,
Maria Luiza e Fabiane: todos a sorrir.

Eu já estive nesta região,
quando eu ainda era um menino.
E o Gilmar herdou a educação
do seu avô João Quirino.

O Luiz e o seu amigo Índio
foram pescar na cachoeira,
caiu uma chuva lascada,
e o Luiz só pegou uma bebedeira

Enquanto a chuva caía mansamente,
estávamos bebendo cerveja gelada,
o Gilmar foi buscar os pescadores,
coitado: caiu foi numa enrascada.


O Luiz estava tonto demais

e ainda andando de muleta,
ao passar na fazenda da "porteira",
tomou mais pinga sem fazer careta.

Ao chegar na Fazenda Paineira,
o Luizinho aprontou o maior rebu,
não queria a ajuda de ninguém
e mandou todos ir tomar no (assovio)...

E de noite surgiu um problema,
teve alguém roncando igual leitão.
De manhã foi que descobrimos
que era o Gilmar mamando num litrão.

A Edilza Não conseguiu dormir
ela bebeu um pouco, é bem verdade,
mas o problema foi outra coisa:
eram roncos de toda qualidade.

Nossa vinda aqui foi muito boa,
muita alegria e muita animação,
além das poucas e boas,
Maria Luiza aprendeu a tocar violão.

Depois de cantar muitas músicas,
Parei de tocar pra dar uma descansada.
Foi quando a Amely quase morreu
de tanto rir da Márcia contando piada.

Eu agora que aprendi o caminho,

esta não será a vez primeira,
vou ligar para o Gilmar e pegar a estrada,
e vou depressa pra Fazenda Paineira.

 

(2009)

 

* * * * *
 

Rancho do Rubão

 

Eu saí de Ituiutaba,

passei pelo Posto do Pratão,

e cheguei com muita alegria,

ao famoso Rancho do Rubão.

 

Ao chegar neste rancho,

onde existe amizade profunda,

nós estamos com muita tralha,

pra ir embora só na segunda.

 

E na cidade de Fronteira,

foi grande a minha emoção.

Peguei uma baita bebedeira

de tanto beber "Xixi do Bernardão".

 

O Rubens é paulista,

e paulista é muito encrenqueiro,

mas ele é muito diferente,

tem o jeito de um bom mineiro.

 

Eu conheço ele há pouco tempo,

mas descobri a tristeza do Rubão:

ele não tira do pensamento,

por que cortaram o pau do Bernardão.

 

O Rubão é um homem sério,

mas acho que ele é um tarado,

ele saiu pra pescar às sete horas

e voltou com quatro "Barbados".

 

Nós descemos pra beira do Rio Grande,

com alegria e muita animação,

de repente apareceu mais uma amigo:

um cachorro preto, que chamamos de Negrão.

 

Ficamos debaixo de uma moita de bambus,

pra esconder dos raios quentes do Sol.

O Vilson deu água para o Negrão,

mas ele queria era beber Skol.

 

O Negrão gosta de cerveja,

mas também gosta de "muié",

ele deu uma lambida na Loredana,

e o seu "bicho" já ficou de pé.

 

(2009)

 

* * * * *
 

Aniversário do Carlito

 

Hoje o Carlito fica mais velho,

e ele completa mais de setenta.

Ano passado, de cabelo preto,

ele apresentava ter só cinquenta.

 

Ele é filho do Tio João Grosso

e da querida Tia Maria Abadia.

Foi casado com a Cidorcina,

e os quatro filhos completam sua família.

 

O Carlito é um homem realizado,

o seu lema "é não deixar para amanhã".

É dinâmico e muito ousado,

já foi vereador em Gurinhatã.

 

Fui convidado pra vir nesta festa,

pra jogar truco e tomar cachaça.

Vim pro Barreiro, onde me sinto feliz,

além do mais tudo isso é de graça.

 

O conteúdo do "litrinho" acabou,

todo mundo tá ficando "bão",

mas não fiquem tristes meus amigos,

o Maurício trouxe mais um garrafão.

 

O Juninho está muito prosa,

esta semana ele ficou emocionado,

foi pra barranca do Rio da Prata,

e lá pegou um grande pintado.

 

O Juninho está batendo garganta,

e no pé do ouvido ele me segredou:

que tem gente aqui no Barreiro,

que tem sessenta e ainda não pegou.

 

(17/01/2010)

 

* * * * *

 

Joana Batista Muniz

 

Este mundo é uma maravilha,

e tem pessoas que a gente ama.

Hoje eu estou muito feliz,

cantando para a Tia Joana.

 

Ela é uma mulher sofrida,

e o seu semblante está abatido.

Tia Joana, Deus que conforte

a ausência do nosso Tio querido.

 

(24.6.2010)

 

* * * * *

 

Na casa do Prof. Teco - 1

 

Estamos todos aqui reunidos,

somos felizes em mais um ano.

Vamos cantar com muita alegria,

pra Olinda, o Adélio e o Diordano.

 

Eu conheço o Professor Teco,

desde o nosso tempo de menino.

Ele é meu primo primeiro,

estarmos juntos é o nosso destino.

 

(2010)

 

* * * * *

 

Na casa do Valtenis

 

Tirem esta camisa das minhas costas,

sou corinthiano e tenho muito fé,

senão eu vou usar este pano fino

pra limpar a sola do meu pé.

 

*

 

O Donizete é um homem rude,

trabalho pesado passa na sua mão.

Ele é querido pela família,

e é meu primo do coração.

 

O Donizete é uma cara "bão",

ele é forte, e não enjeita nada,

mas não gosta de solidão,

já está com uma nova namorada.

 

*

 

A Nêga do Assis é caladinha,

mas é uma morena de posição,

fica nervosa se oferecer latinha,

ela só gosta de cerveja de litrão.

 

O Assis gosta de jogar truco,

e nesta mesa ele ainda não perdeu.

Foi só alguém falar no litrão,

que a sua mulher logo apareceu.

 

*

 

Eu estou muito encucado,

e às vezes assim eu fico.

estou deverás preocupado:

quero saber onde está o TiBico.

 

O TiBico está demorando,

e ele que fique esperto,

porque o primo Zinho

tá querendo ser sogro do João Neto.

 

*

 

O Carlito foi internado no Hospital,

mas não perdeu a força da paixão,

foi levar a Aparecida em casa,

quase que ela morreu do coração.

 

(2010)

 

* * * * *

 

Maria Helena de Oliveira

 

Hoje o dia é de muita alegria,
todos nós comemoramos
mais um ano de vida da Tia Maria,
mulher guerreira que tanto amamos.

Ela nasceu na Fazenda Córrego da Chácara,
tem pouco estudo, mas trabalha desde menina.
Tem irmãos, sobrinhos e muitos netos,

e é filha do João Baltazar e da Geraldina.

Nos pagodes ela sempre foi animada,
não parava, estava sempre na pista.
Um dia ela se viu apaixonada
por meu Tio Lázaro Batista.

Eles se casaram e os filhos nasceram:
Francisco, Luís Carlos e Marild.
E Deus lhe deu forças para suportar
os que perdeu, e ela suportou, humilde.

Seu coração, sempre amoroso,
cuidou dos filhos com muito carinho.
E ainda ajudou a criar e a educar,

outros filhos que se viram sozinhos.

Tia Maria, nós lhe desejamos,
muitos anos de vida, paz e felicidade.
Que Deus ilumine o seu caminho
e que não lhe falte amor e amizade.

(23.7.2011)

 

* * * * *

 

Matheus Henrique

 

Hoje eu estou muito cansado,

eu já não tenho o mesmo pique.

Quero então por vocês ser ajudado,

a cantar parabéns pro Matheus Henrique.

 

(23.9.2011)

 

* * * * *

 

15 anos da Stéfany

 

Esta noite a Stéfany é uma princesa,

está linda, pois tem a mãe a quem puxar,

ela é filha da minha prima Stfana

e do Vilson, mas ele é feio de lascar.

 

Papai Vilson  está muito feliz,

nesta festa que fez pra sua filhinha,

pois veio amigos e muitos parentes,

o seu irmão, Nilton, e sua mãezinha.

 

O Cristiano está aqui também,

ele é um bom companheiro,

mas ontem ele se transmudou,

e virou um grande beijoqueiro.

 

Eu o conheço há pouco tempo,

dos seus segredos eu nada sei,

mas o Vilson me adiantou,

que hoje ele vai pra parada gay.

 

Eu fui dançar uma música sertaneja,

dancei sozinho com o meu umbigo.

Como nenhuma mulher se candidatou,

o Cristiano veio dançar comigo.

 

Eu "sartei de banda" na mesma hora,

e ele ficou nervoso e foi encenando:

"Como você faz isso agora,

se ontem você tava me querendo."

 

(25.9.2011)

 

* * * * *

 

Mônica Aparecida da Silva

 

Gosto muito de ler e escrever,

escrevo conto, poema e crônica.

Porém hoje eu só quero cantar,

parabéns pra nossa amiga, Mônica.

 

(15.11.2011)

 

* * * * *

 

Ana Paula

 

Nesta noite de muita alegria

quem ficar triste vai pra uma jaula.

Vamos beber até amanhecer o dia,

e cantar parabéns pra Ana Paula.

 

A Ana Paula está realizada

com a vida que ela escolheu.

E pra iluminar a sua estrada,

tem o Kawan como luz que Deus lhe deu.

 

Os seus amigos estão todos aqui:

a Aline, o Edson Neto, eu e a Helice,

o Francis, a Rosana e o Gabriel.

E ela é abençoada por sua mãe, Cleonice.

 

Veio o Luan, o Nícolas e a Ana Beatriz,

Ednazir, Ana Paula, Simone e Prisciane,

A Leadna, o Marcos, a Julianinha,

a Mônica, o Gilson e a Oziane.

 

O Eugênio, o Leandro, Roberto e Júnior,

Jéssica, Ana Flávia, Cristiano, Camila e Vanusa.

Mas tudo isso não teria o menor sentido,

se faltasse a Elisangela, sua musa.

 

(9.6.2012)

 

 

 

* * * * *

 

Carteira da Maria

 

Foi no dia seis de abril, algo bom me aconteceu:

fui passear na fazenda de um parente meu,

convidei o meu colega só para não ir sozinho,

pensei logo em chamar o meu amigo Marinho.

 

De Uberlândia chamei o meu Tio Sebastião,

que trouxe a Terezinha aos trancos e empurrões,

ela já tava de foto, quase caindo no chão,

disse assim: "só vou se levar um garrafão".

 

Já na estrada de terra, o Marinho me falou:

"vamos esperar um pouquinho, desconfiado eu estou,

que naquela subidinha a Maria não passou,

pois a carteira dela em Brasília ela comprou".

 

Chegando lá na fazenda tava tudo arrumado,

o porco já tava morto, arroz também afogado,

começamos a jogar truco, veja só o resultado,

foi um senta-levanta e o jogo foi animado.

 

Lá estavam quatro mulheres, que o gosto do trem sentiu,

arrumaram um bereirão, quase que ninguém dormiu,

um dos homens foi falar, na mesma hora sumiu,

pois pegaram uma tesoura pra cortar o seu "fiu fiu".

 

VOLTAR