FAMÍLIA ANGELO
Tronco do Triângulo Mineiro

Autor: Edson Angelo Muniz

 

EDSON ANGELO MUNIZ VIEIRA "EDSON NETO"

       

Edson Neto e o "Vovô Esso" — 2003


     

Edson Neto é um garoto lindo, esperto e sadio, graças a Deus, que só tem nos dado alegrias e, em minha homenagem, recebeu o meu nome. Ele é para mim um filho-neto, que eu amo muito e que ajudei a criar até os seus dez anos de idade.

Aos dois aninhos, aprendendo e falando tudo, o Edson Neto me deixou numa saia justa. Todas as vezes que saíamos com ele, no carro, ele ia no banco de trás, sentadinho, quietinho, prestando atenção em tudo que falávamos e observando tudo que se passava na rua. Quando eu parava o carro em um semáforo, chamava-o e dizia-lhe: "Olha, lá, Edson Neto, a luz está vermelha, não podemos passar, só poderemos passar quando ela ficar verde." E assim eu falava-lhe todas as vezes que passava por um sinaleiro. Num domingo, saí de carro para ir à feira, no Bairro Junqueira, e levei o Edson Neto. Fizemos as compras e voltávamos para casa, descendo pela Rua 36. Ao chegar na Avenida 17 o sinal estava vermelho. Eu olhei para um lado e para o outro, como não vinha carro, nem bicicleta, nem moto, nem ninguém, então segui, antes do sinal abrir para mim. Qual não foi a minha surpresa quando o Edson Neto encostou a mãozinha em meu ombro e me disse: "Vovô Esso, você não esperô!", e apontou com o dedinho para o semáforo.

Outro dia, à tarde, a Helice, eu e o Edson Neto, passeávamos no centro da cidade. Quando estávamos voltando para casa, já de noite, perguntei para a Helice, em tom baixo: "Vamos deixar o Edson Neto em casa e voltar àquele barzinho?"

Imediatamente o Edson Neto retrucou, lá do banco de trás do carro: "Eu vou tamém! Vovô bebe cerveja, Neto bebe guaraná!"

E olhe que eu não falei em bebidas, apenas falei "aquele barzinho". Dei uma sonora gargalhada e fomos os três para o barzinho.

Não tem nada melhor para um pai-avô do que ver a alegria estampada nos olhos de um filho-neto.

 


Edson Neto, abraçado ao Vovô Edson.
— Ituiutaba, 31.08.2014 —

 

VOLTAR